paisagem parque serra do tabuleiro

Aventura na Serra do Tabuleiro

Que tal conhecer as opções de atividades de aventura na Serra do Tabuleiro? O parque estadual da Serra do Tabuleiro possui cerca de 88 mil hectares de área conservada, ocupando cerca de 1% do território catarinense. Foi criado em 1975 através do Decreto n° 1.260/75 e está situado em áreas dos seguintes municípios: Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Martinho, São Bonifácio, Garopaba, Paulo Lopes e Imaruí. O parque engloba também as ilhas Moleques do Sul, Siriú, Coral, Andrade, Papagaio Pequeno, Três Irmãs, Fortaleza/Araçatuba, Cardoso e a ponta sul da Ilha de Santa Catarina.

O nome do parque é “emprestado” de uma das serras da área, que possui um cume de formato tabular: a Serra do Tabuleiro. A região é formada por Mata Atlântica e possui vegetação que inclui cinco das seis composições botânicas do Estado. Pouco mais de 100 espécies de aves já foram encontradas por lá.

localizacao parque serra do tabuleiro

A sede do Parque está localizada às margens da BR-101, no município de Palhoça (40 km de Florianópolis). O parque foi reaberto recentemente à visitação pública (2015) após um período de reestruturação. Atualmente funciona de quarta à domingo, das 9h às 16h.

De acordo com a Fatma, mais de dez mil visitantes praticam ecoturismo no parque todos os anos. Se interessou? Vamos conhecer algumas opções de aventura na Serra do Tabuleiro:

placa da trilha no parque da serra do tabuleiro

Trilha da Restinga do Maciambú

Com 1.000 metros de extensão, a trilha pode ser percorrida facilmente junto a um guia treinado. É possível avistar animais nativos soltos além da exuberante vegetação nativa.

Trilha do Pico do Tabuleiro

O Pico da Serra do Tabuleiro possui 1.237 metros de altitude e está localizado em Santo Amaro da Imperatriz. A caminhada é indicada para trilheiros com alguma experiência e com um bom condicionamento físico, possuindo nível de dificuldade médio-alto. A atividade dura em torno de 8h e a saída acontece na sede da Apuama, saiba mais.

Trilha da Cachoeira do Rio Vermelho

A Cachoeira do Rio Vermelho é um conjunto de três cachoeiras onde a primeira e maior delas possui 70 metros de altura, enquanto as demais possuem 30 metros. Ambas estão localizadas no coração do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro.

O nome “Cachoeira do Rio Vermelho” se deve ao tom avermelhado que as pedras dão à água.

A trilha possui nível moderado e duração de 4h. Crianças a partir de 12 anos e adultos que não possuam dificuldades de locomoção e problemas de saúde podem participar.

Durante o trajeto é possível avistar pássaros e animais silvestres e, ao final, o visitante é surpreendido por piscinas naturais, podendo desfrutar de um refrescante mergulho.

rafting canion negro parque da serra do tabuleiro

Rafting Expedição ao Cânion Preto

A expedição Cânion Preto é uma atividade de rafting mais longa e com corredeiras mais desafiadoras (classes III e IV), sendo indicada para aqueles que procuram uma aventura mais radical. O percurso fica ao pé da Serra do Tabuleiro, cercado por belas montanhas e pela Mata Atlântica.

A atividade dura em torno de 4h, com um percurso de 14 km. Adolescentes a partir de 14 anos e adultos acompanhados de instrutores são aptos a participar. Restrições se aplicam à cardíacos, gestantes e pessoas com problemas acentuados de coluna.

Além do rafting, é feita uma caminhada leve que dá acesso a uma cachoeira com piscinas naturais. Saiba mais sobre essa inesquecível aventura no meio da Mata Atlântica!

Essas são algumas das opções de aventura na Serra do Tabuleiro. Aventure-se, passeie, aprecie a natureza e os animais, faça um piquenique… o parque possui atrações para a família toda e é um local incrível para se conhecer!

Acompanhe por aqui as atrações especiais do parque.

pessoal praticando rafting

Equipamentos para rafting – o que você precisa saber!

O que você conhece sobre equipamentos para rafting? Que tal conhecer um pouco mais antes de se aventurar descendo incríveis corredeiras a bordo de botes infláveis? O rafting é uma atividade deliciosa, que pode ir desde um passeio pelo rio com brincadeiras, até um nível de muita adrenalina! Que tal conhecer um pouco sobre os equipamentos utilizados na prática do rafting? Apesar de ser uma atividade que não exige muitos equipamentos pessoais específicos, alguns itens são obrigatórios! Mas fique tranquilo, se o seu passeio for feito com uma empresa especializada no ramo como a Apuama, todos os equipamentos para rafting indispensáveis serão fornecidos.

Bom, agora vamos falar um pouquinho sobre cada um deles:

botes para rafting

1. Bote inflável

É feito de um material bem resistente que mistura fibra de poliéster e neoprene, chamado de hypalon. Possui um sistema auto-esgotável, onde a água sai sozinha. As duas boias que parecem “bisnagas” servem para dar estrutura ao bote quando ele passa por corredeiras mais fortes. As peças pretas localizadas no chão do bote são os finca-pés, utilizados para os tripulantes se fixarem no bote com mais segurança e estabilidade. O tamanho do bote varia de 3,65 m até 5,50 m e, quanto maior o bote, melhor a sua estabilidade. Geralmente cada bote acomoda de 5 a 10 pessoas.

2. Remos

São bem leves com pás de plástico bem resistente ou fibras de carbono e cabos de alumínio.

3. Saco estanque

Você pode não notar a sua presença, mas ele é importante pois são sacos impermeáveis, feitos de borracha, que tem o objetivo de carregar itens necessários como kit de primeiros socorros, máquina fotográfica, troca de roupas, lanche, remendos para o bote, entre outros.

4. Bomba de emergência

Caso o bote sofra alguma perfuração, a bomba é utilizada para enchê-lo de ar e então remendar. Também serve para esvaziar o bote na hora de guardar.

5. Cabo de resgate

É um cabo elástico que possui 20 m de comprimento, sendo colocado dentro de um saco estanque. É utilizado quando alguém cai na água e se distancia muito do bote, então joga-se o saco (o resgatado a segura) e puxa-se a corda para fazê-lo retornar a proximidades do bote.

equipamentos para rafting

6. Coletes salva-vidas

É de uso obrigatório para todos os praticantes do rafting, garantindo flutuação na água e proteção do corpo. Possui diferentes tamanhos e regulagens para se adequar ao tamanho dos participantes.

7. Capacete

Outro equipamento de uso individual e obrigatório para prática da atividade. São leves e preparados para aguentar ocasionais choques nas pedras ou entre os participantes. Apresenta regulagem interna para que acomode diversos tipos de cabeça.

8. Roupa de neoprene

Não é obrigatória, mas é ideal para a prática do rafting e você não sai com as suas roupas molhadas ao final da atividade. Também são muito uteis em dias mais frios, tornando a temperatura da água mais agradável. Normalmente estão inclusas no pacote do rafting ou podem custar um valor a parte o aluguel das mesmas.

9. Calçado

Existem opções no mercado próprias para passeios de barco, mas não são de uso obrigatório. O ideal é escolher um calçado com solado de borracha que oferece proteção aos pés e proporcionam melhor fixação do participante no bote, além de maior estabilidade nas pedras. Sapatos fechados mantém pés mais protegidos contra cortes e machucados que podem vir a ocorrer quando em contato com as pedras.

10. Caiaque de segurança 

Uma pessoa experiente da equipe acompanha todo o trajeto que os botes fazem dentro de um caiaque. Serve como segurança e normalmente o operador do caiaque também bate fotos da atividade.

Gostou de saber um pouco mais sobre os equipamentos para rafting? Não deixe de conhecer as opções de passeios de rafting oferecidos pela Apuama!

pessoa praticando arvorismo

Circuito de aventura – escolha a sua!

Que tal participar de um circuito de aventura? Junte uma equipe de amigos, traga os funcionários da sua empresa ou comemore uma data especial de um jeito diferente, com aventura e diversão junto a natureza!

Que tal comemorar o aniversário do seu filho adolescente juntando alguns amigos para um circuito de aventura que inclui arvorismo e rafting? Será um aniversário bem diferente e inesquecível para todos os participantes.

O circuito de aventura pode ser customizado do jeito que você quiser! É só escolher a melhor combinação de atividades para você, dentre as opções oferecidas:

ARVORISMO

O arvorismo em si já é um circuito de aventura já que a atividade é feita através da travessia de um percurso suspenso entre estruturas montadas na copa das árvores. O trajeto pode incluir cordas, cabos de aço, escadas, redes e outros objetos que são utilizados para aumentar a dificuldade, os desafios e também a adrenalina dos participantes.

A Apuama oferece dois circuitos:

  • Curto – feito na própria sede da Apuama, com duração de 20 minutos e que inclui: uma tirolesa de 60 metros de extensão, ponte pênsil de 25 metros, falsa baiana de 25 metros, parede de escalada e rapel;
  • Completo – Possui aproximadamente 2h de duração e é realizado no Hotel Plaza. São 550 metros de extensão divididos em 25 atividades e 04 tirolesas durante o percurso.

Acesse aqui para mais informações sobre arvorismo, valores e contato.

TRILHA

A trilha, também conhecida como hiking, consiste na prática de caminhar ao ar livre, em um caminho autoguiado e já demarcado pelo homem. Os graus de dificuldade e terrenos são variados, podendo ser de nível fácil e sem obstáculos, até exigir experiência e preparo físico do praticante.

A Apuama oferece duas opções de trilhas:

  • Trilha da Cachoeira do Rio Vermelho – Localizada no coração do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, reúne três cachoeiras. A primeira delas é a maior, possuindo 70 metros de altura. As outras duas possuem 30 e 20 metros respectivamente. A trilha é relativamente curta, com cerca de 2.650 metros de extensão. Acesse aqui para saber mais.
  • Trilha do Pico do Tabuleiro – O pico da Serra do Tabuleiro encontra-se a 1.260 metros de altitude, na região de Santo Amaro da Imperatriz. O trajeto tem em torno de 5,7 km, sendo percorrido em 4 a 5 horas. A maior dificuldade se encontra na extensão com subidas longas e descidas íngremes, além do desnível de mais de 1000 metros que exigem um bom condicionamento físico e muscular. Acesse aqui para saber mais.

pessoas praticando rafting no rio opção de circuito de aventura

RAFTING

É a prática da descida de rios em corredeiras utilizando botes infláveis, remos e equipamentos de segurança. Os praticantes são orientados por um instrutor especializado a utilizarem os remos para se movimentar pelo trajeto.

A Apuama possui 3 opções de Rafting:

  • Rafting para iniciantes – é feito nas águas calmas e transparentes do Rio Cubatão, envolto pela mata do parque da Serra do Tabuleiro. Com 1h30 de duração descendo corredeiras de classe II, o percurso é para quem quer curtir a natureza sem muita adrenalina. Podem participar crianças a partir de 8 anos, adultos e idosos acompanhados de instrutores. Acesse para saber mais sobre essa modalidade.
  • Rafting Aventura – Feito no Rio Cubatão, possui cerca de 2h de duração, percorrendo 5km. O nível de adrenalina e dificuldade desta modalidade de rafting parte da Classe I, a modalidade para quem está iniciando na prática, e vai até a Classe V, um nível com dificuldade avançada e perfil radical. O nível e atividades variam de acordo com o grupo participante. Crianças a partir de 8 anos, adultos e idosos acompanhados de instrutores podem participar. Restrição à cardíacos, gestantes e pessoas com problemas acentuados de coluna. Saiba mais!
  • Rafting expedição ao Cânion Preto – o percurso fica ao pé da Serra do Tabuleiro, cercado por belas montanhas e pela Mata Atlântica. É uma atividade de rafting mais longa (14km percorridos em cerca de 4h) e com corredeiras mais desafiadoras (classe III e IV), indicada aqueles que procuram uma aventura mais radical. Podem participar desta modalidade adolescentes a partir de 14 anos e adultos acompanhados de instrutores. Restrições se aplicam à cardíacos, gestantes e pessoas com problemas acentuados de coluna. Saiba mais!

duas pessoas praticando rapel em cachoeira no circuito de aventura

Também existe a possibilidade de incluir o Rapel Cachoeira da Ressureição e/ou o vôo livre de parapente no circuito de aventura.

A Apuama possui ainda programas especiais próprios e já definidos como o Programa de Orientação Vocacional e o Treinamento Experiencial Empresarial, não deixe de conhecer.

aventura rafting em familia

Turismo de aventura para crianças

Estamos em Outubro, mês das crianças, que tal conhecer algumas opções de turismo de aventura para crianças? Além de Outubro, também podem ser ótimas opções para finais de semana ou período de férias da criançada. Presentes são legais e as crianças definitivamente adoram, mas que tal proporcionar aos pequenos (grandinhos também! uma experiência diferente que talvez marque muito mais?

Agora vamos as dicas de algumas atividades de aventura para crianças:

criança fazendo arvorismo

ARVORISMO

São duas opções de percursos, um deles na própria sede da Apuama que conta com uma tirolesa de 60 metros de extensão e 9 metros de altura com ponte pênsil de 25 metros, falsa baiana de 25 metros, parede de escalada e rapel na árvore. O percurso dura 20 min.

O outro percurso de arvorismo está localizado no hotel Plaza. É mais longo, com cerca de 2h de duração. São 550 metros de extensão, com 25 atividades e 04 tirolesas durante o percurso.

OBS: Não é necessário treinamento ou conhecimento prévio para realizar a atividade.

Quem pode praticar? Crianças (a partir de 1,10m e 25Kg) e adultos (até 1,90m e 100Kg).

Saiba mais sobre as opções de percursos de arvorismo em Santa Catarina.

família em aventura com crianças fazendo rafting

RAFTING

É uma ótima opção de aventura para crianças e para o resto da família também! A partir de 8 anos de idade os pequenos já podem participar do rafting, descendo corredeiras a borda de um bote, junto de muita adrenalina e diversão. São feitas várias atividades divertidas durante o passeio e até mergulhos.

O rafting de nível iniciante da Apuama passa por corredeiras de classe I e II, em meio à exuberante natureza da Mata Atlântica. Já no Rafting com opção Radical, o nível de adrenalina e dificuldade parte da Classe I e vai até a Classe V, mais avançado e com perfil radical.

Também existe a modalidade eco rafting que combina esporte de aventura à semeadura de vegetação nativa, elevando o despertar para a preservação ambiental, saiba mais!

OBS: Não é necessário treinamento ou conhecimento prévio para realizar a atividade.

Quem pode praticar? Crianças a partir de 8 anos, adultos e idosos acompanhados de instrutores. Restrição à cardíacos, gestantes e pessoas com problemas acentuados de coluna.

Saiba mais sobre o rafting, horários e valores.

aventura para crianças beto carrero

PARQUE DE DIVERSÕES BETO CARRERO WORLD

Um parque de diversões também é sempre uma ótima opção de aventura para crianças. O Beto Carrero é um parque incrível, inaugurado em 1991 e considerado o maior e mais completo da América Latina. Está localizado no município de Penha, distante 113 km de Florianópolis.

São diversas atrações para crianças de todas as idades e os pais também podem se divertir também! São mais de 100 opções de atrativos como zoológico, brinquedos para várias idades, shows ao vivo, passeio de trem, teleférico… confira todas as atrações!

PROJETO TAMAR

tartarugas do projeto tamar

Uma outra dica de diversão para crianças que não é de aventura, mas que mesmo assim não deixa de ser interessante, além de ser educativo, é a visita ao Projeto Tamar da Barra da Lagoa, distante 25 km do centro de Florianópolis.

O local conta com infraestrutura que inclui cinco tanques de observação com exemplares de quatro das cinco espécies de tartarugas marinhas que desovam no Brasil, sala de vídeo e exposições, espaço infantil e loja para venda de produtos TAMAR. Também é possível ver as tartarugas sendo alimentadas através de uma visita guiada.

Eles estão com uma programação legal nessa semana de dia das crianças, confira:

projeto tamar semana da criança

Para saber mais sobre o Projeto Tamar, acesse aqui.

 

voando de parapente

Voar de parapente: experimente essa aventura!

Para quem curte adrenalina, voar de parapente é uma ótima opção! Ela pode ser considerada uma atividade de turismo sustentável, tendo em vista que não usa combustível, e entra em contato com a natureza sem que a prejudique. Aliás, a natureza é a protagonista da atividade, já que é necessário que haja vento para que a atividade possa ser realizada.

Já mencionamos em outra matéria a diferença entre parapente e asa-delta. A proposta do parapente é o voo, controlado pelo piloto que “dirige” o equipamento pelo céu, podendo subir muito metros e ir descendo e escolhendo o melhor local para fazer o pouso. O piloto experiente consegue controlar o equipamento e decidir por onde quer voar e onde pousar, com a ajuda do vento.

O parapente possui uma estrutura costurada em um tipo de nylon impermeável que é chamado de “rip-stop”. Quando aberto, ele transforma-se em uma aeronave capaz de planar por várias horas, sendo levado através de correntes ascendentes e muitas vezes percorrendo centenas de quilômetros.

É praticamente impossível descrever a sensação de voar de parapente. Desde a adrenalina na hora do salto até a observação de tudo que está em volta, a natureza, os pássaros, as paisagens, e a sensação gostosa do vento batendo no rosto. É realmente uma sensação maravilhosa que você precisa vivenciar!

Confira 4 condições essenciais para voar de parapente:

1. Boas condições atmosféricas

Boas condições climáticas e atmosféricas garantem um bom voo. É necessário ter correntes de vento ascendentes para que atividade ocorra.

2. Experiência do piloto

A experiência do piloto te dá uma maior segurança em voar e pode deixar o seu passeio ainda melhor e mais emocionante. Um piloto experiente consegue realizar vários tipos de manobras e manusear corretamente o velame, o que lhe garante uma capacidade de voo mais consistente e com muito mais adrenalina!

3. Capacidade física e psicológica do piloto

Não é necessário ter um grande porte físico para ser um piloto de parapente, mas é fundamental que a pessoa possua boa resistência física e também psicológica para ter bastante tranquilidade caso o vento mude de repente. É necessário estar bem preparado.

4. Equipamento adequado e seguro

Um bom equipamento, assim como sua manutenção, fazem parte de um voo seguro. Os equipamentos indispensáveis para o voo são: velame, pára-quedas reserva, arnês, capacete, altímetro, luvas e faca. Outros equipamentos essenciais são o fato de voo, GPS e o rádio, botas e óculos de sol.

voar de parapente ao entardecer

Quer voar de parapente? A Apuama leva você! Contamos com profissionais experientes para realizar a atividade. O voo normalmente é realizado no Morro do Queimado, em Santo Amaro da Imperatriz, de uma altitude de 62 metros. Mas também é possível voar de parapente nas praias Mole e Brava em Florianópolis-SC.

São necessárias boas condições climáticas para que a atividade ocorra. O voo dura em média 15 minutos e qualquer pessoa que esteja em boas condições de saúde e não tenha medo de altura pode participar. Acesse aqui para saber sobre horários e valores e depois não esqueça de deixar o seu depoimento contanto como foi a sua experiência!

trilha-cachoeira-rio-vermelho

Cachoeira do Rio Vermelho: dica de trilha

Já fez a trilha da Cachoeira do Rio Vermelho? Hoje vamos falar um pouco sobre essa opção de trilha em Santa Catarina!

Antes da falar da trilha da Cachoeira do Rio Vermelho, aí vão algumas observações. A trilha, também conhecida como hiking, é um esporte que consiste em uma caminhada ao ar livre seguindo uma trilha já demarcada anteriormente pelo homem. Os graus de dificuldade de uma trilha podem variar de acordo com o terreno, aclives e declives, presença de rios e cachoeiras. Existem hoje inúmeras opções de trilhas por todo o mundo e conhecer lugares novos, lindas paisagens e fazer registros desses momentos são alguns dos pontos favoráveis de se fazer uma trilha, assim como a parte da saúde e do contato com a natureza.

Como escolher uma trilha?

Se você é iniciante, o ideal é optar por trilhas mais curtas e fáceis. Os graus de dificuldade e terrenos variam muito, podendo ser desde o nível fácil e sem obstáculos, até exigir experiência e preparo físico do praticante.

Uma dica é pesquisar as opções de trilhas disponíveis de acordo com a região onde deseja ir. Algumas podem ser feitas sem um guia especializado, outras, já demandam acompanhamento de um guia que conheça bem o local. Fique atento a isso!

O que levar em uma trilha?

Já fizemos um post com dicas para iniciantes no trekking sobre o que vestir e o que levar, acesse aqui.

Dica de trilha

Hoje a nossa sugestão é a trilha da Cachoeira do Rio Vermelho. Ela está localizada na  Várzea do Braço, no coração do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, e reúne três cachoeiras. A primeira delas é a maior, possuindo 70 metros de altura. As outras duas possuem 30 e 20 metros respectivamente.

O nome Cachoeira do Rio Vermelho se deve ao tom avermelhado das pedras em contato com a água.

A trilha é relativamente curta, com cerca de 2650 metros de extensão. É considerada de nível moderado, com uma forte subida próxima ao final do percurso. O final da trilha é surpreendente, será que devemos contar?

mergulho na trilhada cachoeira do rio vermelho

 

Nada como você viver essa experiência, mas saiba que ao final da trilha você se depara com lindas piscinas naturais onde pode mergulhar. Prepare-se, pois a água é bem gelada, mas vale muito a pena!

Durante a trilha da Cachoeira do Rio Vermelho é possível avistar pássaros e animais silvestres.

Mas atenção: não é uma trilha para se aventurar sozinho. Ela deve ser feita com uma empresa especializada em ecoturismo na região, pois é necessário passar por propriedades particulares para chegar até lá e a trilha não possui sinalização.

mapa com trajeto da trilha da cachoeira do rio vermelho

imagem: Wikiloc

A Apuama realiza a trilha da Cachoeira do Rio Vermelho em um passeio que parte do Bairro Vargem do Braço em Santo Amaro da Imperatriz, cerca de 10 Km da sede da Apuama. A atividade possui 4 horas de duração e podem participar crianças a partir de 12 anos e adultos que não possuam dificuldades de locomoção e problemas de saúde.

É importante mencionar que a realização da trilha depende das condições do tempo. Pode ser realizada durante o dia, desde que não haja chuva.

Acesse aqui para saber horários e valores da atividade.

duas pessoas fazendo rapel de cachoeira

Rapel de cachoeira, uma experiência inesquecível!

Já teve a oportunidade de praticar o rapel de cachoeira? Já se imaginou descendo uma cachoeira por um grande paredão rochoso vertical? Também conhecido como cascading ou até como cachoeirismo, o rapel de cachoeira é uma experiência inesquecível! Se você quer saber um pouco mais sobre rapel, equipamentos e dicas de onde praticar, acesse esse outro post.

Hoje vamos falar um pouco mais sobre a modalidade de rapel praticado em cachoeiras. É errado pensar que esse tipo de rapel é o mesmo que feito em outros lugares. A atividade muda bastante dependendo de onde é realizada, bem como seus cuidados. As dificuldades de cada ambiente podem exigir conhecimentos específicos da técnica do rapel, fazendo com que a atividade seja mais segura e eficaz.

Quanto aos equipamentos utilizados o rapel de cachoeira, são os mesmos do tradicional, adaptados da espeleologia e do alpinismo, podendo ser individuais ou coletivos. Saiba mais sobre os equipamentos utilizados para a prática da atividade.

instrutor e praticante em rapel de cachoeira

SEGURANÇA E RESTRIÇÕES

Sob a orientação e auxílio de instrutores especializados e utilizando bons equipamentos, a atividade é extremamente segura e acessível. Por ser uma atividade que envolve adrenalina e fortes emoções, é contra indicada para pessoas que tenham problemas de coração, gestantes, que tomam remédios controlados ou que tenham graves limitações de movimento (incluindo pessoas com mais de 120 kg). Fora essas restrições, até crianças a partir dos 12 anos podem participar. Inclusive pessoas com deficiência visual ou auditiva estão aptas à prática.

A ATIVIDADE 

A atividade normalmente inclui uma trilha até o alto da cachoeira onde será feito o rapel, que pode seguir ou não o curso d’água da cachoeira. Durante a descida, é importante controlar a corda e manter os pés esticados, pisando por completo nas pedras, bem firme, para não escorregar. Mas não se preocupe, pois existe um treinamento com muitas explicações para não restar dúvidas. E, como mencionamos, é uma atividade segura se feita através de uma empresa especializada.

Para realizar a atividade, é interessante usar uma roupa com secagem rápida e um tênis (nada de utilizar calçados que possam se soltar!) que possa sujar e molhar (ou leve uma roupa extra). Protetor solar e repelente também são itens importantes. Para quem tem cabelo comprido o ideal é que ele fique preso durante a descida na cachoeira.

homem descendo cachoeira através de rapel

ONDE PRATICAR?

Que tal uma dica de onde praticar o rapel de cachoeira? A Apuama realiza a atividade na Cachoeira da Ressurreição, município de Águas Mornas-SC. São 35 metros de altura em meio a Mata Atlântica preservada. O acesso até a cachoeira é realizado em 10 minutos de caminhada. A atividade tem duração de 3 horas no total (a descida na cachoeira leva cerca de 30 minutos). Não precisa de experiência anterior para participar, é feito um treinamento dos procedimentos de segurança para a prática do rapel. É importante mencionar que a atividade depende de condições climáticas favoráveis.

Confira depoimento de uma participante:

“No dia 08 de abril realizamos rapel na Cachoeira da Ressurreição, sob a instrução do Denis e com o auxílio do Ramon. Foi muito radical, divertido e satisfez nosso espírito de aventura! PLUS: ducha quente!”
– Júlia Voss Warmling – Abril/2018

Acesse aqui para informações sobre valores e horários para o rapel de cachoeira.

 

atirando com estiligue no ecorafting

EcoRafting, uma atividade do turismo de experiência

Já conhece o turismo de experiência? Já ouviu falar em EcoRafting? Os turistas estão sempre a procura de novidades. Mas não basta só conhecer lugares novos e sim viver experiências incríveis e memoráveis. É aí que entra o turismo de experiência, onde os participantes não são apenas meros espectadores, eles participam e interagem com as atividades, levando para casa memórias de momentos incríveis que jamais serão esquecidos.

Nada como conhecer e vivenciar os costumes, a cultura e a gastronomia dos locais visitados. Até mesmo locais já visitados anteriormente ganham outros olhares e emoções ao agregar diferentes atividades e sentimentos.

O turismo de experiência proporciona uma interação entre o turista e o local que está sendo visitado. O EcoRafting é uma das opções para quem busca esse tipo de vivência inesquecível. É uma atividade que combina esporte de aventura e semeadura de vegetação nativa, que além da adrenalina do Rafting traz um despertar para uma maior consciência e preservação ambiental.

turismo de experiencia

O EcoRafting é uma das 16 opções de atividades que fazem parte do projeto Turismo de Experiência: Santa Catarina em Todos os Sentidos, que tem como missão salientar a importância da preservação ambiental proporcionando uma experiência prática.

Uma oficina é oferecida aos turistas que participarão da atividade do EcoRafting, onde aprendem sobre o ecossistema local, fauna e flora, visando a identificação das espécies nativas durante o percurso do rafting, que é realizado pela Apuama na Serra do Tabuleiro, em Santo Amaro da Imperatriz – SC.

participantes fazendo munições para o ecorafting

A atividade começa com a confecção de “munição”, que é composta de barro e sementes de árvores nativas da Mata Atlântica. Depois é hora de descer as corredeiras e participar das atividades e emoções que o rafting proporciona. Quase no final do trajeto há uma parada estratégica que é feita para que as munições sejam arremessadas pelos participantes, com o uso de estilingues, do interior dos botes de rafting em direção às margens do rio para semeadura e reparação da mata ciliar. Dessa forma, novas plantas e árvores surgirão com o tempo nos locais onde as sementes foram arremessadas.

Além de toda a adrenalina e emoção que o rafting proporciona, tem todo o lado de preservação da natureza e conscientização.

Não é necessário experiência e conhecimento prévio para participar da atividade. Crianças e adultos saudáveis estão aptos a vivenciar o EcoRafting.

Confira algumas matérias de alguns participantes da atividade: Graziela Bastos (Intrip), Marola com Carambola, Destino mundo afora, Revista Evidência.

Ficou interessado em participar ou indicar para alguém? Saiba mais sobre a atividade e entre em contato!

 

rapel

Tudo sobre Rapel e dica de roteiro

Hoje vamos falar um pouco sobre mais um esporte de aventura, o rapel. A modalidade consiste em uma descida vertical com o auxílio de alguns equipamentos, principalmente a corda. Geralmente praticado em montanhas, cachoeiras e em contato com a natureza. A palavra rapel vem da língua francesa e significa “chamar” ou “recuperar”, sendo utilizada inicialmente para descrever a descida por cordas praticada em atividades como montanhismo, escalada e canyoning.

O rapel não é só uma atividade de aventura, a prática também é utilizada por pesquisadores e espeleólogos para descer em cavernas profundas e por bombeiros para o resgate e salvamento de vítimas.

Está curioso para se aventurar no rapel? É iniciante na atividade? Então vem conhecer um pouco mais sobre esta modalidade:

equipamentos de rapel

Principais equipamentos

Os equipamentos indispensáveis para a prática do rapel são:

  • corda – deve ser estática e suportar pesos acima de 1 tonelada. O tamanho varia de acordo com o local onde vai ser feita a atividade e a espessura deve ser maior que 11mm se for usada de forma simples.
  • bouldrier – conjunto de fitas que fica na cintura e nas pernas formando uma cadeirinha. Ela é ligada a corda através do freio.
  • freio oito – equipamento a base de titânio que possui a forma de um número 8. É por onde a corda passa e faz atrito, tornando possível o controle da descida pelo praticante.
  • mosquetão – prende o oito a cadeirinha e também é utilizado para prender as cordas aos grampos ou outros locais de ancoragem. É feito de titânio (alguns suportam pesos acima de 3 toneladas) possuindo diferentes modelos e formas (com ou sem trava).
  • capacete – protege o praticante em caso de escorregões ou pedras que podem se desprender e cair acidentalmente.
  • luvas – protegem as mãos durante a atividade, evitando machucados e queimaduras, além de facilitarem o controle da descida.
  • anel de fita – são fitas muito resistentes utilizadas para prender a corda em grampos, árvores ou qualquer outro ponto de fixação. Também protege a corda contra possíveis desgastes.

Quem pode praticar?

O rapel é fácil de ser praticado, porém é extremamente necessário que você esteja junto de um guia qualificado para garantir a sua segurança durante todo a atividade. Dependendo de onde será realizado, crianças a partir dos 6 anos, já podem participar.

Como é uma atividade que envolve adrenalina, é contra indicado para pessoas que tenham problema no coração. Também é contra indicado para pessoas com limitações de movimento.

Portanto, obedecendo aos critérios anteriores, estando em boa condição física e de saúde e não tendo problema com altura, você pode praticar o rapel.

Estilos da prática 

  • Inclinado – é o mais fácil de ser executado, sendo feito em uma parede ou pedra que possua menos de 90º de inclinação.
  • Vertical – a principal diferença da pratica anterior é na saída, onde dependendo do ponto de fixação da corda, é possível ter um alto nível de força no bouldrier por conta da passagem do plano horizontal para o vertical.
  • Negativo – é praticado sem o contato dos membros inferiores com qualquer tipo de  superfície como pedra ou parede. A saída é quase de cabeça para baixo, com uma velocidade de descida que aumenta rapidamente.
  • Invertido negativo – este sim assume uma posição invertida (de cabeça para baixo) após a saída.
  • Frente inclinada – possui as mesmas condições que o inclinado só que de frente para a decida.
  • Rapel de cachoeira/canyoning – é muito comum, podendo ser utilizados diversos tipos de descidas. É preciso ter muito cuidado pois você estará lidando com pedras escorregadias e cachoeiras que podem ter muita pressão de queda d’água.
  • Intercalado – A descida é realizada através de escalas, com descidas que podem incluir diferentes estilos. A descida é feita com a corda dobrada e presa em pelo menos mais um ponto de fixação (com no mínimo 3 m antes do final da corda).

rapel em cachoeira

Algumas dicas:

  • contratar uma agência especializada é fundamental para uma experiência segura e divertidas. Pesquise bem antes de escolher;
  • os equipamentos utilizados devem estar sempre em boas condições e ser de marcas e procedência. Também devem passar por manutenções constantes;
  • opte por um tênis com bastante aderência para prática da atividade;
  • o uso de calça ou bermuda será determinado pelo local onde o rapel será praticado;
  • mantenha-se hidratado, bebendo água até a chegada do local da descida;
  • use protetor solar;

Benefícios

Entre os diversos benefícios da prática do rapel podemos destacar o controle da ansiedade, aumento da força muscular e melhora da condição motora e redução do stress.

homens rapel cachoeira

Agora que você já sabe mais sobre o rapel, que tal uma dica de local para pratica? A imagem acima mostra o rapel na Cachoeira da Ressurreição, com 35 m de altura, em meio a Mata Atlântica preservada, na região de Águas Mornas-SC.

O acesso até a cachoeira é feito em 10 minutos de caminhada. A atividade pode ser feita por iniciantes na prática, com pelo menos 12 anos de idade, que pesem no máximo 120 kg e que não possuam problemas cardíacos e dificuldades de locomoção. Pessoas com deficiência visual ou auditiva estão aptas a participar da aventura!

O roteiro tem 3 h de duração (a descida da cachoeira leva em torno de 30 minutos), com saídas as 8h30 ou 13h, saiba mais.

 

 

 

 

programa de orientacao vocacional

Programa de orientação vocacional ao ar livre

Você sabe o que é o programa de orientação vocacional? Muitos jovens tem dificuldade em decidir qual curso fazer em uma faculdade ou qual será sua futura profissão. Quando os jovens chegam ao ensino médio começa toda uma preparação para o vestibular, sua escolha e decisões sobre o seu futuro profissional.

A pressão é grande, alguns já tem bem definidos o que querem fazer, muitos tem dúvidas entre algumas possibilidades e outros não fazem nem ideia. É aí que entra a orientação vocacional. Seu objetivo é ajudar os jovens (ou até os não tão jovens assim, mas que querem mudar de área), na busca de um horizonte profissional.

Como é feita a Orientação Vocacional?

Através de testes, questionários e estrevistas são identificados os talentos e interesses de cada pessoa, e então são sugeridos os cursos que mais se encaixam com o perfil de cada um. É uma ajuda na busca do autoconhecimento. Não existe resposta certa nem uma profissão específica e sim algumas sugestões e caminhos para que a pessoa tome a decisão final, mas com base no que foi visto durante a orientação.

Os programas de orientação profissional podem ser feitos nas escolas ou de forma particular ou em grupo.

Programa de Orientação Vocacional ao ar livre – POVA

parede de escalada

O POVA é um programa de Orientação Vocacional feito pela Apuama e voltado para o autoconhecimento. O trabalho é feito com adolescentes a fim de auxiliá-los na compreensão do seu Eu mais profundo e fazendo com que sejam descobertas suas potencialidades e afinidades, tanto com relação ao seu projeto de vida como um todo como também na escolha da sua opção profissional.

A metodologia é diferente dos testes vocacionais corriqueiros. Na Orientação Vocacional ao ar livre o jovem participará de atividades de aventura, que de uma forma descontraída ajudarão a desenvolver suas capacidades e habilidades. A essência da aventura está diretamente ligada a aprendizagem e a superação de habilidades próprias.

As atividades ao ar livre podem ser feitas tanto no solo como no alto, desde algo em um simples gramado até trilhas, paredes e escalada e rafiting, em ambientes com árvores, montanha… cercado de natureza.

Tudo é muito seguro, feito com todo o esquipamento necessário e equipe especializada tanto para orientar e tornar as atividades seguras como para encorajar o processo de autoconhecimento de cada participante. Todos são direcionados a participar de todas as atividades propostas, ousar, criar elos e atuar sobre a integração do grupo.

-> Metodologia do programa

arvorismo

Utilizamos a metodologia “learning by doing” (aprenda fazendo) na qual em um círculo ininterrupto de experiência-reflexão-transferência estabelece-se o aprendizado disponibilizando-o para a aplicação prática no dia-a-dia.

Os participantes vivem uma experiência única onde aprendem sozinhos durante as atividades as suas competências e habilidades. As atividades ajudam a superar desafios pessoais e em grupo que fazem parte de uma jornada de aprendizagem.

Após cada atividade realizada, há uma reflexão sobre o que foi feito e o resultado alcançado, fazendo com que os participantes percebam sozinhos suas competências e possibilidades de desenvolvimento. Através do aprendizado experiencial a retenção do conteúdo é facilitada, tornando o aprendizado mais duradouro.

Quer saber mais sobre o Programa de Orientação Vocacional ao ar livre? Entre em contato!